Carta para Pedro – amor de pai para filho


Há exatamente 14 anos recebi a graça divina da paternidade. Lembro, como se fosse hoje, a confusão ocorrida, quando deixei a minha esposa Fabiana sozinha no quarto da Maternidade São José para levar meus sogros para tomar café e, ao retornarmos, nos deparamos com a suíte vazia, pois ela já tinha sido levada à sala de parto. Ainda combalido e convalescendo da Síndrome Guillain Barré, fui aos “trancos e barrancos” para o local onde deveria por as vestes próprias para acompanhar a cesariana...

Lembro, ainda, que estava ao lado da Fabi, cabeça com cabeça, quando ouvimos o médico anunciar a sua chegada. Abro aqui um parenteses para citar um fato pitoresco. Seu tio e padrinho, Flávio Graça, que tudo filmava na sala de parto, “atropelou” o procedimento realizado em busca de um melhor ângulo, no que foi severamente repreendido pela saudosa Dra. Lúcia, sob a ameça de ser expulso do recinto. Mas toda essa confusão cessou com a sua chegada.

Ao ouvir seu choro, minha voz calou-se; meus olhos lacrimejavam copiosamente; meus braços, trêmulos, recebiam pela primeira vez o corpo do meu primogênito. Aquele momento está eternizado na minha memória. A indescritível sensação então experimentada jamais será substituída. Ali, minha vida mudou.

De lá para cá muita coisa aconteceu. Vivemos momentos maravilhosos. Outros nem tanto. Mas o importante é que nunca deixei um segundo sequer de te amar, de te respeitar, e, principalmente, de te admirar. Aliás, esse sentimento só veio a crescer dia após dia.

Hoje, na adolescência, posso dizer que você é uma mistura de um menino ingênuo e de um projeto de homem. Sua honestidade, sua retidão, sua personalidade forte e, acima de tudo, sua inteligência acima de média, te credenciam a ser um “homem” na melhor acepção da palavra.

Você é motivo de orgulho de pais, avós, tios, primos, amigos e de todos aqueles que, de alguma forma, cruzam seu caminho. Como diz sua mãe, é ótimo participar da “escola aberta” no colégio, quando os professores são só elogios a você, sempre enaltecendo suas qualidades com brilho nos olhos, o que demonstra a verdade naquelas assertivas.

Enfim, meu filho, posso dizer que “VOCÊ É O CARA!”. Por isso, me sinto muito honrado por ser seu pai e de poder, neste dia especial, te desejar toda a felicidade do mundo e pedir ao Criador que seu aniversário seja repleto de alegrias e que sua vida seja sempre iluminada. Te amo muito.

Cesar Noronha

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Preencha todos os campos marcados *